Ebooks

INFORMAÇÃO IMPORTANTE
Infelizmente o 4shared bloqueou o acesso a conta onde eu armazenava os e-books (aparentemente tem algo haver com direitos autorais). Assim que tiver um novo site para armazenamento enviarei os links.

sábado, 4 de abril de 2009

Diferença entre Objetivo e Conduta

Ao final da avaliação de um paciente, o fisioterapeuta deve ser capaz de estabelecer um plano de intervenção com objetivos claros e bem definidos. Porém esta tarefa aparentemente simples acaba se tornando um verdadeiro suplício para muitos alunos em período de estágio.
Isso acontece pela grande dificuldade em se estabelecer a diferença entre duas palavras: Objetivos e Condutas.
Pois é, quem durante a faculdade nunca teve dúvidas em relação aos Objetivos e as Condutas de tratamento ao escrever um relatório que atire o primeiro Theraband. Para ajudar o pessoal que está cursando os últimos períodos, elaborei este texto para tentar facilitar a interpretação e a utilização correta destes termos. Mas antes de continuar eu preciso dar um aviso aos navegantes: Como eu não encontrei nada a respeito do uso dos termos Objetivo e Conduta nem em livros e nem na internet, as orientações seguintes são baseadas na minha própria opinião e na de colegas e professores.

Pra começar, vou poupar tempo e dizer logo a diferença entre objetivos e condutas.

Objetivo => Refere-se à sua Meta, ou seja: é tudo aquilo que você pretende alcançar ao tratar o paciente. Os objetivos geralmente são descritos no infinitivo.
Conduta => São as técnicas que você vai usar para o tratamento. Em outras palavras: é o caminho que você vai seguir para alcançar seu objetivo.

Apesar da descrição parecer simples, existem alguns pontos de confusão:

Primeiro: Para algumas pessoas é extremamente difícil diferenciar a meta do meio utilizado para alcançá-la. Por exemplo: Fortalecimento muscular é um objetivo ou uma conduta? Eu afirmo que é uma conduta, pois vc fortalece um músculo para que o paciente seja capaz de realizar alguma tarefa. Este mesmo raciocínio se aplica ao alongamento, ao treino de equilíbrio, propriocepção, etc. Todas estas condutas visam permitir que o paciente realize uma função, portanto não são um fim, mas um meio para alcançar um objetivo.
Segundo: Para um mesmo objetivo você pode ter várias condutas diferentes, dependendo do tipo de paciente. Suponha que você esteja atendendo um paciente com AVC com 2 meses de evolução e que não deambula. Provavelmente a reaquisição da marcha seria um de seus objetivos. A marcha também pode ser o objetivo ao se tratar um idoso com história de imobilidade prolongada no leito, uma criança com Encefalopatia Crônica, ou um paciente com alteração vestibular grave. Como vocês podem observar, temos 4 exemplos de quadros clínicos radicalmente diferentes porém todos com o mesmo objetivo - a marcha. Naturalmente, as condutas empregadas nos exemplos também serão diferentes.
Terceiro: Como se não bastasse, alguns objetivos podem preceder outros objetivos, no estilo curto médio e longo prazo. Exemplo: Antes de alcançar a marcha, o paciente deve ser capaz de ficar de pé. Portanto, você pode estabelecer como objetivo de curto prazo a aquisição do ortostatismo (alcançar a ortostase) e a médio prazo a marcha.

Para concluir, posso dizer que o objetivo primário de qualquer programa de intervenção fisioterápica é a melhoria do estado funcional do indivíduo, mas este é um objetivo muito vago. Para você estabelecer um plano de intervenção adequado é essencial a realização de uma avaliação criteriosa utilizando questionários e/ou testes clínicos e funcionais. Ah! não esqueça de perguntar ao paciente qual é o objetivo dele (ou dela); ou seja, o quê ele(a) gostaria de fazer mas que não é capaz devido às limitações funcionais. Com o resultado desta avaliação em mãos, você terá uma idéia clara do "cenário" no qual o seu paciente está inserido, seus desejos e suas limitações. Assim fica muito mais fácil estabelecer seus objetivos.
A propósito, recomendo que a meta do tratamento deve ser passível de avaliação clínica de forma minimamente científica e quantitativa. Assim você é capaz de demonstrar seus resultados de forma clara.

6 comentários:

RODRIGO QUEIROZ disse...

Grande Humberto...
Parabéns pela reflexão...e que antes do objetivo venha o nosso diagnóstico..e que antes das condutas, quem sabe um dia, estabeleçamos o nosso prognóstico!

Humberto Neto disse...

Olá Rodrigo,
Seus comentários são sempre bem vindos neste blog, ainda mais quando complemenatam a postagem.
Grato plea atenção.
Humberto

artur disse...

Grande amigo Humberto...finalmente apareci por aqui. Seu texto baseado em suas experiências seria um grande tema de mesa redonda. hoje vejo a maioria dos fisioterapeutas e acadêmicos super preocupados com resultados, o que gera um grande interesse pelas técnicas de tratamento. Entretanto, como a experiência ou torna a gente mais acordado para a vida ou simplesmente mais burro, o resultado de nada vale sem entender o processo terapêutico de cada paciente. De que adiantaria ter como objetivo o controle da dor sem que o próprio fisio entenda que a conduta pode não influenciar em nada no resultado?? por mais que todos os testes indiquem o que vc deve fazer?? faz parte né.
grande abraço

Fernanda disse...

Obrigada pela orientação. Interessante a forma como vc utiliza para transcrever o q as vezes nos confundi.
Existem outras duvidas na fisioterapia que vc poderia estar fazendo dessa mesma forma.
Parabéns!!!

Raysa Carvalho disse...

Muito boa a explicação! Sou estudante de Fisioterapia e sua postagem me ajudou bastante a esclarecer esses detalhes que acabam passando desapercebidos durante o curso; e só vamos nos dar conta da importância de certas diferenças, quando já estamos estagiando. E, convenhamos, deixar pra procurar sobre isso só no final, é descuido acompanhado de desinteresse.
Também pesquisei bastante sobre isso na internet, em artigos...Portanto, não encontrei nada que fosse tão claro e direto como aqui no seu blog. Continue postando e ajudando muitos profissionais e estudantes da área da saúde.

Emanuel Barbosa disse...

Gostei