Ebooks

INFORMAÇÃO IMPORTANTE
Infelizmente o 4shared bloqueou o acesso a conta onde eu armazenava os e-books (aparentemente tem algo haver com direitos autorais). Assim que tiver um novo site para armazenamento enviarei os links.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

O Conceito Maitland de Terapia Manual

O Conceito Maitland de Terapia Manual foi desenvolvido na década de 60 pelo fisioterapeuta australiano Geoffrey D. Maitland (esse aqui ao lado), e na postagem de hoje vou fazer uma breve introdução e discutir algumas características interessantes deste conceito Mas antes de começar, quero chamar a atenção para um detalhe importante: Esta abordagem de fisioterapia é sempre referida como um "conceito", e não como uma “técnica”. Sabem porque? Porque a ênfase do tratamento é colocada não sobre a técnica de mobilização articular em si, mas principalmente sobre uma filosofia que engloba a avaliação e o tratamento e que defende o raciocínio clínico baseado principalmente nos achados clínicos (saber quando, como e quais técnicas usar e adaptar a situações para cada paciente). De fato, as técnicas de mobilização articular empregadas no conceito Maitland são em sua maioria bastante simples, não há manuseios complexos ou ultra sofisticados que exijam meses de prática para a sua realização. Desta forma fica claro que o grande lance do conceito Maitland não reside nas técnicas, mas sim no processo de avaliação clínica meticulosa permite, inclusive, que quaisquer outras modalidades de mobilização ou manipulação possam ser agregadas, aplicadas e reavaliadas sem comprometer em absolutamente nada o processo de raciocínio clínico.


O advento do Conceito Maitland pode ser considerado um dos marcos mais importantes do desenvolvimento da Terapia Manual. Neste modelo de abordagem, a avaliação clínica baseia-se em uma anamnese minuciosa, em um exame físico detalhado e passível de registro (movimentos ativos, passivos e acessórios graduados em uma escala de 1 a 4), na avaliação dos sinais e sintomas, e reavaliação investigando os efeitos das técnicas sobre estes sinais e sintomas. Ao utilizar a filosofia do Conceito Maitland, os fisioterapeutas são encorajados a formular e testar várias hipóteses a fim de encontrar o melhor método de tratamento para o paciente.

O exame físico envolve a aplicação de movimentos vertebrais oscilatórios passivos e acessórios nas articulações para tratar a dor e a rigidez de natureza mecânica. As técnicas visam restaurar movimentos articulares e são classificados de acordo com a sua amplitude. Aqui temos um referencial histórico importante para a terapia manual, pois Geoff Maitland desenvolveu uma metodologia capaz de classificar as mobilizações articulares. Isto permitiu uma maior confiabilidade e registro adequado da técnica de mobilização empregada nos pacientes. Assim, as mobilizações podem ser classificadas em 4 graus:

Grau I: É um movimento de pequena amplitude, realizado abaixo da faixa de resistência e é adequado para o tratamento de condições altamente irritáveis. Grau II: É uma mobilização de maior amplitude porém ainda abaixo da resistência do tecido (R1). Uso de mobilizações Grau I e II são adequadas quando a mobilização gera dor antes da restrição do movimento articular. Grau III e IV são utilizados quando a resistência ao movimento é detectada antes da dor. Uma mobilização III é um movimento de grande amplitude executado dentro de resistência (R2) e geralmente utilizado para melhorar a amplitude de movimento. Grau IV é um movimento de pequena amplitude executado dentro resistência (R2), utilizadas para dores crônicas de baixa irritabilidade.

Esta é uma descrição extremamente sucinta das graduações, uma vez que este assunto é bem complexo e discutido ao longo de vários capítulos dos livros do conceito Maitland. Em um próximo post eu vou falar um pouco mais profundamente sobre os graus e sobre esta noção de resistência dos tecidos (R1 e R2).

Para finalizar é preciso compreender que o conceito Maitland é dinâmico, e continua a evoluir e modificar-se por meio da integração dos conhecimentos científicos atuais. É importante ressaltar que apesar das técnicas de tratamento serem basicamente técnicas de mobilização articular, o conceito Maitland não se concentra exclusivamente nos componentes do movimento articular, mas também engloba a avaliação e tratamento do sistema neural e as disfunções do sistema muscular. Assim, uma visão global do paciente permite que um tratamento específico possa ser programado.e sua efetividade avaliada.

6 comentários:

Anônimo disse...

Caro Huberto,
concordo plenamente com todas as suas afirmações relacionadas ao conceito Maitland.
Acredito que esse seja um conceito, o qual todo fisioterapeuta que trabalha com Fisioterapia Manipulativa / Terapia Manual, deve conhecer. Pois as idéias de Geoff Maitland são a base para essa área da fisioterapia. E como vc mesmo disse, do conceito Maitland surgiam "ramificação" as quais trabalham o sistema neural (neurodinâmica) e o muscular Estabilização Segmentar).
Parabéns por suas colações,
Att Bernardo Pinheiro.

Erika disse...

Hoje infelizmente existem milhões de cursos que garantem que estão ensinando as técnicas de maitland mas na realidade transmitem um conceito totalmente distorcido tenho muita vontade de fazer este curso mas não consigo decidir em qual instituição fazer como saber se a instituição é séria????

Ricardo Abreu disse...

Meu nome é Ricardo Abreu e moro em Madrid, estava lendo o seu blog a respeito da coluna e gostaria de te comentar o meu caso.

Sexta feira na academia eu machuquei minhas costas na região cervical, acho que é este o nome, a região das costas que fica na altura do peito. fazendo exercício para os ombros. Estou desesperado pois sou um tipo que é viciado em exercícios e academia. tenho um corpo pra manter, amo malhar!

Estou desesperado, fiz várias consultas na internet e estou tomando vários medicamentos pra coluna sendo que ontem eu parei com os remédios e as dores voltaram, e agora esta refletindo na região lombar! Estou desesperado com medo de ter que parar de malhar por muito tempo. Um mês é uma eternidade para mim. O que o Sr. acha disso? deve ser sério? qual o nome que se dá para este tipo de problema, "machucar as costas malhando".
estou buscando na internet mas tem vários termos como luxação, torção, traumatismos, etc etc.
Pela sua experiência, acredita que terei que fazer repouso por quanto tempo? Isso nunca tinha acontecido antes comigo, estou muito nervoso com isso

Desde já muito obrigado pela sua atenção!

Ricardo Abreu

Humberto Neto disse...

Com o devido respeito.
Deixe de lado o Google e procure um médico.
Atenciosaemnte
Humberto

clay disse...

concordo com tudo sobre a técnica e de digo mas medico não é Deus e sim mais um conhecedor da anatomia e fisiologia humana,caro colega,Humberto Neto...

Humberto disse...

Olá Clay,
espero desfazer qualquer mal entendido. Não considero médicos Deus. Sou defensor do trabalho em equipe, onde cada profissional deve ter primeiramente compromisso com o paciente e só depois com seu próprio ego.
No caso acima, a auto medicação está explicita no relato do Ricardo. Apenas por este fato já considero importante uma consulta médica. Além disso, segundo o Ricardo, as dores começaram na torácica e "desceram" para a lombar. Ele não descreveu a natureza da lesão Ex: trauma direto, torção, etc...
Assim, considero importante para o caso dele uma consulta médica para excluir outras causas de dor vertebral ex: fissuras, hérnias, esmagamento vertebral e até tumor (se o cara é viciado em malhação e faz auto medicação, acho provável que também faça uso de anabolizantes hormonais, os quais podem afertar vários sistemas do corpo).
Eu sinto que esta explicação foi necessária. Eu trabalho com médicos pediatras, ortopedistas e fisiatras diariamente. Não faço a menor questão de ser "amiguinho" ou puxa-saco de médicos, enfermeiros, psicólogos ou qualquer outra profissão. Eu respeito as outras categorias e felizmente sou respeitado em meu ambiente de trabalho (sei que esta não é arealidade em muitos locais, neste caso nada mais justo do que iniciar uma luta por respeito!).
Clay, por favor, não entenda este meu testamento como uma resposta desaforada contra você. Apenas uma chance de expressar melhor a minha resposta ao comentário do Ricardo, Ok?
Grande abraço
Humberto