Ebooks

INFORMAÇÃO IMPORTANTE
Infelizmente o 4shared bloqueou o acesso a conta onde eu armazenava os e-books (aparentemente tem algo haver com direitos autorais). Assim que tiver um novo site para armazenamento enviarei os links.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

A Propriocepção

A propriocepção é o termo que descreve a percepção do próprio corpo, e inclui a consciência da postura, do movimento, das partes do corpo e das mudanças no equilíbrio, além de englobar as sensações de movimento e de posição articular. [1,2] Embora seja estudada há muito tempo, a propriocepção ainda é pouco conhecida. Este texto tem como objetivo fazer um breve apanhado da neurofisiologia deste tema tão complexo.
Inicialmente é impossível falar em propriocepção sem falar em receptores sensoriais. Afinal de contas são eles que "informam" o nosso SNC (aqui me refiro a SNC e não apenas ao cérebro pois existe a propriocepção consciente e inconsciente) sobre a posição articular e o nível de tensão muscular, por exemplo.
[1] Lent, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos e fundamentos da Neurociência. Atheneu, 2001. [2] Kandel, E. R.; Schwartz, J.H.; Jessell, T.M.Princípios da Neurociência. Manole, 2003.

Receptores Sensoriais
Os
receptores sensoriais fazem parte do sistema sensorial somático, responsável pelas diferentes experiências sensoriais captadas e interpretadas pelo nosso corpo. A função mais elementar dos receptores sensoriais é prover o SNC com informações sobre o estado interno de estruturas orgânicas e do ambiente externo. São eles que definem o que chamamos de sentidos (visão, audição,sensibilidade corporal, olfação, gustação). Porém um único receptor não é capaz de identificar sozinho os diferentes estímulos que nos bombardeiam a cada instante. Desta forma contamos com diferentes tipos receptores sensoriais, cada um com características próprias que permitem que ele "sinta" diferentes estímulos. Podemos classificar os receptores sensoriais de acordo com a sua função (mecanoceptores, termoceptores, fotoceptores, quimioceptores e nociceptores). Além da classificação funcional, podemos também classificá-los de acordo com a sua localização anatômica: exteroceptor, interoceptor e proprioceptor (esta última classe é a que nos interessa no momento).

Proprioceptores
Os
proprioceptores são receptores que se lo­calizam mais profundamente nos músculos, aponeuroses, tendões, ligamentos, articulações e no labirinto cuja função reflexa é locomotora ou postural. Podem gerar impulsos nervosos, conscientes ou inconscientes. Os primeiros atingem o córtex cerebral e permitem que, mesmo de olhos fechados, se tenha a percepção do próprio corpo, seus segmentos, da atividade muscular e do movi­mento das articulações. Sendo portanto responsáveis pelo sentido de posição e de movimento (cinestesia). Os impulsos nervosos proprioceptivos inconscientes não despertam nenhuma sensação; são utilizados pelo sistema nervoso central para regular a atividade muscular, através do reflexo miotático ou dos vários centros envolvidos com a atividade motora, como o cerebelo. Em resumo: Os proprioceptores são essenciais para informar ao nosso cérebro a noção de posição dos membros, e por sua vez, esta informação de posicionamento corporal é essencial para o controle dos movimentos.





Estes receptores desempenham, em simultâneo, a função de detectar todas as variações mecânicas e de enviar a informação recolhida ao sistema nervoso central. Para além dos proprioceptores, o aparelho vestibular e o sistema visual também fornecem importantes informações somato-sensoriais. Pode-se dizer, portanto, que a propriocepção é responsável pelo envio constante de informação sobre eventuais deslocamentos de segmentos no espaço auxiliando-nos nas diversas tarefas motoras. Apropriadamente, os proprioceptores estão localizados nos músculos (fusos musculares), tendões (órgãos tendinosos de Golgi) e nas cápsulas articulares (corpúsculos de Ruffini e Pacini).

Muito bem. Até aqui aprendemos que a propriocepção depende dos receptores sensoriais, e que estes receptores são estruturas especializados, cuja função é de transformar a energia mecânica da deformação física (alongamento, compressão e pressão) em potenciais de ação nervosos que são transmitidos ao SNC, mais exatamente na medula espinhal. Ao chegar na medula, estes potenciais de ação seguem pelo fascículo grácil (local que recebe informações originadas de receptores do membro inferior) e/ou fascículo cuneiforme (recebe informações originadas de receptores do membro superior). Destas estruturas os estímulos seguem passando pelo diencéfalo e córtex cerebral, terminando assim na área somestésica (responsável pelo armazenamento de informações proprioceptivas). Ao atingirem esta área o movimento passa a ser reconhecido pelo cérebro. Este processo possui uma duração em torno de 80 a 100 m/s e é muito mais rápido que os estímulos dolorosos (estes seguem a uma velocidade de 1 m/s).

O cérebro tem uma representação do próprio corpo. A maioria das aferências somestésicas da metade do nosso corpo chega ao tálamo e projeta-se no córtex somestésico primário (S1) do giro pós-central contralateral. No córtex somestésico primário há um mapa corporal completo chamado homúnculo sensorial. Essa representação não é proporcional: a face e os dedos das mãos possuem a principal representação em relação a outras partes do corpo refletindo a densidade de receptores distribuídos pelo corpo. Assim determinadas regiões do corpo apresentam maior resolução espacial, ou seja, maior sensibilidade e maior precisão para identificar o estimulo. A sensibilidade tátil é a que tem melhor precisão. Não é à toa que a leitura Braille se executa com a superfície dos dedos indicadores e médios e não com a palma da mão.

A existência de um mapa foi corroborada pela 1ª vez pelo neurologista canadense Wilder Penfield que estimulou eletricamente determinadas regiões do córtex somestésico e obtinha relatos de formigamento na região correspondente do corpo. Atualmente as atividades corticais podem ser acompanhadas através da ressonância magnética funcional e técnicas de potencial evocado.O córtex somestésico possui 4 subáreas distintas que processam aspectos específicos da modalidade somestésica como é mostrado a seguir:
Subárea 3a: propriocepção
Subárea 3b: tato
Subárea s 1 e 2:



Este aí de cima é o homúnculo de penfield
Para ter maiores detalhes sobre as áreas corticais envolvidas na propriocepção, sugiro a leitura da
Apostila de fisiologia da Unesp-Botucatu
O que eu quero enfatizar com esta breve descrição é que o mapa somático cortical não é fixo: apresenta plasticidade de uso e desuso. Ex: Paciente com as mãos amputadas, relata sensação fantasma evocadas por estímulos faciais.

Conforme o uso que é dado a determinadas partes do corpo, a representação se torna proporcionalmente maior ou menor; os mapas são diferentes entre as pessoas. Mas o que isso significa e qual a implicação desta informação para um fisioterapeuta? Ora, significa que a propriocepção pode ser treinada. Creio que na verdade, o mais correto seria dizer que podemos treinar nosso SNC de modo a otimizar as reações motoras em resposta a alterações bruscas do posicionamento corporal. Em outras palavras: Tonar o cérebro mais atento às informações proprioceptivas e ensiná-lo a responder rapidamente a elas.

Após uma lesão articular e/ou ligamentar, os receptores proprioceptivos também são danificados, o que significa que a informação que é normalmente enviado para o cérebro fica prejudicada. Nestes casos, haverá um déficit na capacidade proprioceptiva do indivíduo. Isto pode deixar a pessoa propensa a se lesionar novamente, ou diminuir a sua coordenação durante o esporte. O treino proprioceptivo envolve geralmente superfícies instáveis. Esta instabilidade fornece ao organismo constantes oportunidades para avaliar a sua orientação no espaço, desenvolvendo e treinando a consciência corporal. Uma melhora na reposta proprioceptiva proporciona ao corpo com maior equilíbrio e estabilidade.


Espero que tenham gostado

15 comentários:

Central Fitness disse...

otimo blog!

Otimas informações!

NO artigo de terapia manual quald evo fazer.

você discorre sobre 3 técnicas, mas a que parece que precisa ter um certa "estrada" , experiência, que ao meu ver seria a neural, você aconselha fazer logo depois da formação ou não? Não seria interessante o maitland, principlamente pela avaliação do paciente que ue particularmente acho INCRIVEL e ESSENCIAL! Poderia falar um pouco mais sobre!?

E comentar um review também sobre a Terapia Cranio Sacral!

Pois estava pretendendo fazer o curso introdutorio.!

Otimo blog!

Abraços!

Humberto Neto disse...

Respondendo ao colega anônimo da Central Fitness.
Quanto ao curso de mobilização neural, minha opinião é de que estrategicamente seria melhor que um recém formado investisse em um curso que permitisse atender ao maior número possível de quadros clínicos, como é o caso do Mulligan, Maitland, osteopatia e PNF, por exemplo. Porém eu digo isso assumindo que um recém-formado tem pouca experiência em terapia manual. Mas se você já tem conhecimento de outras técnicas não tem problema nenhum em investir em mob. neural.
Quanto ao review terapia Cranio-Sacral, vai demorar um pouco pois eu vou precisar conversar com colegas que dominam a técnica. Tenho noções rudimentares desta técnica.
Eu me sinto mais à vontade para falar neste blog sobre técnicas e assuntos que eu tenho alguma experiência, assim posso dar minha opinião e sugestões, como eu fiz na postagem das técnicas de terapia manual.
Abraços
Humberto

Chok disse...

Parabéns Humberto...
Ótimo blog...

Nabila Pessotti Moro disse...

Olá, ótimo blog, parabéns. Tem me ajudado muito nas aulas da faculdade. Faço fisio =D
Ah no seu: quem sou eu tem falando que usa só miseros 10% da capacidade do seu cerebro. Indico uma leitura que talvez faça vc mudar de idéia O cérebro nosso de cada dia - Suzana Herculano-Houzeu.
Até mais

Anônimo disse...

nota 10 o blog!
Parabéns!
curso fisioterapia =)

KARLA disse...

MUITO BOM, SUAS INFORMAÇÕES FORAM DE GRANDE AJUDA.
OBRIGADA!
KARLA
ALUNA DE FISIOTERAPIA

Anônimo disse...

Muito esclarecedor... excelente para quem andou se dedicando a outras áreas e ficou um pouco enferrujado. Mto bom tbm para os alunos de faculdade que perderam esta aula.

Gabriela Dias disse...

Olá! Estou recomendando seu texto no meu blog, tudo bem?

Willian P. Juhas disse...

Olá. Meu nome é Willian, possuo 28 anos e cerca de 2 anos atrás sofri um grave acidente de moto que gerou um altíssimo impacto no chão causando um TCE (traumatismo craniano). Fiquei internado em UTI sob coma-induzido por 1 mes, mas houve grandes melhoras gradativas em seguida,as quais consegui voltar a falar, andar e relembrar os fatos mais recentes com o passar dos tempos. Nesse meio tempo tive que passar por uma série de tratamento FISIOTERÁPICO e NEURO-TERAPIA. Junto a fisioterapia, foi diagnosticado que ainda não tenho TODO O EQUILÍBRIO CORPÓREO e SENSIBILIDADE DAS PLANTAS DOS PÉS devido ao TCE que sofri, e que isso é devido a PROPRIOCEPÇÃO que foi atingida. A fisioterapeuta percebeu grandes mudanças quanto a equilibrios e sensibilidades, mas não chegou ao 100% com o passar dos tempos desde o acidente, tanto é que hoje não faço mais fisioterapia devido a entender que não está relacionado ao FATOR FÍSICO e sim NEUROLÓGICO que ocasiona a falta de equilíbrio e sensibilidades (propriocepção). Mas passo por consultas neurológicas para tentar corrigir esse aspecto, mas até o momento não houve uma resolução. Por esse motivo gostaria de perguntar a vocês o que REALMENTE POSSO FAZER OU AGIR para a normalização de EQUILÍBRIO CORPÓREO, SENSIBILIDADE DAS PLANTAS DO PÉ e AO FECHAR OS OLHOS E CAMINHAR NÃO SENTIR TONTURAS. Existe remédios ou atividades específicas para a cura e/ou normalização? Haverá necessidade de alguma prática física específica? Se puderem me orientar ou passar maiores informação quanto a cura da PROPRIOCEPÇÃO eu agradeço muito!!! pois já passam de 2 anos pós-acidente e ainda não cheguei a total normalização física/corpórea.

Muito Obrigado!
Willian P. Juhas

Silvio Aguiar disse...

Humberto,

Muito bom o artigo.
Apenas uma dúvida: no texto "Este processo possui uma duração em torno de 80 a 100 m/s" acho que a unidade é de tempo, ou seja, 80 a 100ms, sem a barra.

1 abraço,

Silvio Aguiar

karoll disse...

Alteração na mastigação e perda do sentido do tato, de temperatura, e PROPRIOCEPÇÃO na parte interior da face indicam lesão em qual par de nervos??

Leonardo Barcellos disse...

Exelente artigo! Bem completo e bem explicado. Sou estudande de medicina e esse artigo foi de grande ajuda. Parabéns!

Elisa Pritsopoulos disse...

Muito boM!

edson santos disse...

Faço licenciatura em dança pela UFAL - Universidade Federal de ALAGOAS e teu blog tem me ajudado um monte...!

Obrigado e Parabéns!

Anônimo disse...

Olá,
A despeito de encontrar em vários textos e artigos o conceito de propriocepção como o que você expõe em seu blog, segundo o Tratado de Fisiologia de Guyton, em especial na 11a edição, entendo que propriocepção seja uma propriedade inconsciente, apenas. As sensações conscientes seriam fornecidas pelos exteroceptores e interoceptores.
Qual sua opinião sobre isso?
Obrigada.