Ebooks

INFORMAÇÃO IMPORTANTE
Infelizmente o 4shared bloqueou o acesso a conta onde eu armazenava os e-books (aparentemente tem algo haver com direitos autorais). Assim que tiver um novo site para armazenamento enviarei os links.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Prova Comentada Fisioterapeuta concurso do Governo do Estado da Paraíba/ FUNDAC 2008 - Parte II

41) Acerca da mielomeningocele, assinale a opção correta.
A) Não provoca atraso no desenvolvimento do controle sobre a cabeça e do tórax, independentemente das complicações comumente associadas a essa doença.
B) Na mielomeningocele lombossacra, o paciente apresenta paralisia espástica e atrofia muscular.
C) Deve-se retardar o máximo possível a prescrição e o uso de órteses de membros inferiores para não atrasar ainda mais o desenvolvimento motor da criança acometida dessa doença.
D) O carrinho de Chailey é uma adaptação de locomoção a ser indicada assim que a idade do paciente permitir.

Acho que a melhor forma de responder esta questão é com um mini resumo sobre mielomeningocele.
A mielomeningocele é um tipo de disrafismo espinhal, ocasionado por uma falha de fusão dos arcos vertebrais posteriores e displasia (crescimento anormal) da medula espinhal e das membranas que a envolvem. Este disrafismo espinhal pode gerar paralisias (principalmente flácidas) e hipoestesias dos membros inferiores.É importante sabermos que apesar de ser mais comum em coluna lombar, a mielomeningocele pode ocorrer em qualquer nível da medula. Assim, nos casos de mielomeningocele em região torácica ou lombar alta, a paralisia flácida irá comprometer o controle de tronco desta criança. Além disso, a hidrocefalia é uma complicação comum na mielomeningocele. Em alguns casos, o aumento do perímetro cefálico (e conseqüentemente aumento do peso da cabeça) causado pela hidrocefalia atrasa a aquisição do controle de cabeça. Portanto a alternativa “A” é falsa.A alternativa “B” também é falsa, pois se deduz que na mielomeningocele lombosacra teremos o comprometimento da cauda eqüina e conseqüentemente paralisia flácida (não ocorre espasticidade quando a lesão acomete a cauda eqüina).A alternativa “C” está errada, pois as órteses de membros inferiores devem ser indicadas o mais precocemente possível, para favorecer a aquisição da marcha além de todos os benefícios do ortostatismo sobre as funções pulmonar, renal, digestiva e ossos. ... Quanto ao carrinho de Chailey, este é um recurso clássico para locomoção d epacientes com mielo.
Gabarito: alternativa “D”


Para saber mais: http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/neuro/mielo_brena/mielomeningocele.htm


-----------------------------------------------------------------------------------
42) Para o fisioterapeuta que trabalha com paciente idoso, o sistema cardiovascular desse paciente deve receber atenção especial no que diz respeito a exercícios, técnicas e métodos terapêuticos aplicados. Considerando a fisioterapia para esses pacientes assinale a opção correta.
A) A fisiopatologia cardíaca pode ser demonstrada, entre outras formas, por diminuição no volume diastólico.
B) Os digitálicos e os bloqueadores de cálcio são reconhecidos inibidores do risco de quedas.
C) O tratamento com piscina aquecida pode ser sinérgico com os medicamentos anti-hipertensivos.
D) O terapeuta deve estar atento para a presença de tontura e síncope, que podem ocorrer devido a pressão arterial alta, principalmente ao se passar rapidamente da posição sentadapara a de pé.

Agora baixou o professor Pasquale! Sinergia deriva do grego synergía, cooperação sýn, juntamente com érgon, trabalho. Em relação a uma abordagem terapêutica, podemos interpretar sinergia como a combinação dos efeitos de duas ou mais condutas, nas quais o efeito final é superior à soma dos efeitos de cada uma delas isoladamente.
Muito bem galera, não sou especialista em reabilitação cardíaca. Por isso mesmo não tenho certeza se a alternativa “A” está certa ou não Principalmente porque a pergunta não especifica a qual cardiopatia a diminuição do volume diastólico está associada. Portanto, por ignorância minha e por uma questão pouco específica, eu marcaria esta alternativa com uma interrogação bem grande e seguiria com atenção redobrada para as alternativas seguintes.
Em relação a alternativa “B”, concluo que é falsa, pois estes medicamentos não são fatores de prevenção de quedas em idosos. No caso da alternativa “C”, ela está correta, pois a imersão em piscinas aquecidas causa vasodilatação periférica, diminuindo a Pressão Arterial.
A alternativa “D” também está errada pois a hipertensão geralmente é silenciosa, Embora alguns pacientes relatem cefaléia quando estão com a pressão arterial alta geralmente esta condição não gera sinais ou sintomas até que seja tarde demais (um AVC por exemplo). Além disso, ao passar rapidamente de sentado para de pé, a tendência é de queda brusca da pressão arterial, a qual pode gerar tontura e síncope.
Mais uma vez, por exclusão conclui-se que o gabarito é a alternativa “C”


-----------------------------------------------------------------------------------
43) Um paciente que apresente um pé cavo deve receber como indicação ortótica terapêutica palmilha com
A) cunha externa em calcâneo.
B) barra retrometatarsiana.
C) cunha interna de calcâneo.
D) apoio retrocapital do primeiro metatarso.

Gabarito: Alternativa "A”.... Eu assumo minha ignorância no tema, alguém se candidata a responder???

Uma alma caridosa atendeu a meus pedidos !!!
A Dra Manuele Jardim complementa a resposta com a seguinte informação:
" Em casos de pé cavos, é necessário que exista uma elevação (cunha) na região lateral do pé e de preferência um pouco mais posterior como uma cunha externa em calcâneo. Pois desta forma o peso do corpo é deslocado medialmente na região cava diminuindo este ângulo e alongando um pouco. "
Pois bem... agradeço a gentileza da colega em compartilhar seus conhecimentos.

-----------------------------------------------------------------------------------
44) Para um paciente que apresente o teste especial de Bunnel Littler positivo, a mecanoterapia mais adequada deve ser feita com a utilização de
A) prancha de propriocepção de tornozelo.
B) tábua de quadríceps.
C) digiflex – exercitador de dedos.
D) cama elástica.

OK, lá vamos nós para mais um capítulo de “memorizando nomes estranhos de testes ortopédicos”.
O teste Bunnel-Littler diferencia o encurtamento dos interósseos da contratura capsular em pacientes com dificuldades para flexão da articulação interfalangenana proximal (AIP). A articulação metacarpofalangenana (AMF) é mantida em alguns graus de extensão. Se o paciente é incapaz de fletir a AIP, a AMF é então mantida em flexão e uma nova tentativa de fletir a AIP é realizada. No caso de encurtamento dos músculos interósseos, o paciente será capaz de fletir a AIP na segunda manobra. Porém se houver contratura capsular o paciente não conseguirá fletir a AMF em nenhuma das duas posições.
Portanto, depois desta explicação fica claro que estamos falando da mão. A única alternativa aceitável como Gabarito é a Alternativa “C”.


-----------------------------------------------------------------------------------
45) Um paciente com 64 anos de idade, amputado em um terço superior de coxa por causa vascular, cardiopata, hipertenso e diabético, realiza treinamento inicial cardiorrespiratório e de
equilíbrio pré-protetização. Com referência a esse caso clínico hipotético, assinale a opção
correspondente à modalidade ou técnica terapêutica contra-indicada para esse paciente.
A) exercícios de flexão de membros superiores com bastão, associados a respiração
B) exercícios de fortalecimento de musculatura residual em piscina terapêutica aquecida
C) treino de ortostatismo sem prótese, em barras paralelasD) treino de equilíbrio de tronco sentado, em bola suíça

Muito bem, temos aqui um caso clínico de um senhor diabético com complicações importantes. Deixe-me fazer algumas considerações sobre o caso. Em relação à cardiopatia, o enunciado não especifica a gravidade, porém analisando as alternativas percebemos que todas incluem atividades de pequeno a moderado esforço, com exceção das alternativas “B” (não especifica a intensidade do fortalecimento e a “D” (algumas atividades na bola suíça podem ser bastante intensas). O fato do paciente ser hipertenso (embora mais uma vez o enunciado não especifique a gravidade da hipertensão e nem se está controlada) também me deixaria tentado a considerar as alternativas “B” e “D” como incorretas. Porém, o “X” da questão está no fato do paciente ser diabético, com um insuficiência vascular a ponto de causar uma amputação. Ora bolas! Nem pensar em botar um cara desses em uma piscina aquecida! Se ele já tem insuficiência venosa, isto é: Se as válvulas que existem dentro das veias não estão conseguindo conduzir o sangue venoso para o centro do corpo, seria muito perigoso botá-lo em uma piscina aquecida (causa vasodilatação periférica, agravando ainda mais o retorno venoso insuficiente.
Gabarito: Alternativa “B”



-----------------------------------------------------------------------------------
46) Em um paciente que apresenta marcha parkinsoniana, observou-se a diminuição do tamanho de seu passo, característico desse padrão de marcha. Assinale a opção correspondente à distância que deverá ser aumentada durante a marcha para melhorar o padrão apresentado por esse paciente.
A) de um calcanhar até o calcanhar do pé oposto
B) de um calcanhar até o toque do calcanhar do mesmo lado
C) de um calcanhar até a ponta do pé do lado oposto
D) da ponta de um pé até a ponta do pé do lado oposto


Putz! Na minha opinião essa questão merecia ser anulada. Ela foi aparentemente formulada para cobrar do candidato se ele(a) sabe a diferença entre passo e passada. “O passo é definido como a distância entre o ponto onde o calcanhar de um membro toca o solo, e o ponto em que o calcanhar do membro contralateral toca o solo”. Enquanto que passada é “a distância entre o ponto onde o calcanhar de um membro contacta o solo e o ponto em que este mesmo calcanhar volta a tocar o solo”.
Aqui vai uma pequena observação que justificaria a anulação: A distância entre o toque de um calcanhar até o calcanhar do pé oposto (alternativa “A”) é a mesma distância que existe entre a ponta de um pé até a ponta do pé do lado oposto (naturalmente assumindo que o paciente, assim como boa parte dos seres humanos, tem os pés aproximadamente do mesmo tamanho)
Gabarito: Alternativa “A” (sob protestos)



-----------------------------------------------------------------------------------
47) Um paciente com doença de Legg-Calvé-Perthes deve receber prioridade no alongamento dos músculos:
A) abdutores de quadril.
B) flexores de quadril.
C) adutores de quadril.
D) extensores de quadril.


A Doença de Legg-Calvé-Perthes é caracterizada basicamente por necrose avascular da cabeça do fêmur e o quadro clínico é manifestado por dor, limitação da amplitude articular de movimento e claudicação, sendo esses sintomas variáveis em intensidade para cada paciente.
Em linhas gerais, o tratamento conservador consiste em obter e manter a mobilidade do quadril e prover a manutenção da cabeça do femural dentro do acetábulo. Para identificar a alternativa correta, o candidato precisa não só conhecer a definição e etiologia da Doença de Legg-Calvé-Perth, mas principalmente saber que uma complicação possível é a subluxação de quadril devido ao remodelamento e perda do contorno da cabeça do fêmur. Para que isso não ocorra é preciso que a cabeça do fêmur se mantenha em uma posição ideal dentro do acetábulo, e neste caso, a posição é a de abdução do quadril.Assim, para alongarmos os abdutores, é preciso realizar uma adução de quadril (movimento que favorece a luxação de quadril) Portanto a Alternativa “A” é falsa.O alongamento dos flexores e extensores não atua diretamente sobre o plano ideal para manter a cabeça do fêmur dentro do acetábulo. Assim eu também desconsidero as alternativas “B” e “D”.
A alternativa correta é a letra “C”, pois o alongamento dos adutores impede a contratura em adução (a qual facilitaria a luxação) além de que durante o próprio procedimento de alongamento estaríamos favorecendo o posicionamento ideal da cabeça do fêmur no acetábulo.
Gabarito: Alternativa “C”

Para saber mais
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5140/tde-13072006-091428/
http://www.crefito3.com.br/revista/usp/05_05_08/pdf/51_57_legg_calve.pdf
http://www.interfisio.com.br/index.asp?fid=84&ac=1&id=6


-----------------------------------------------------------------------------------
48) Para paciente com quadro de artrite reumatóide é contra-indicado o tratamento com
A) alongamento passivo.
B) ultra-som contínuo.
C) crioterapia.
D) exercício de fortalecimento muscular isométrico


A Artrite Reumatóide é uma doença caracterizada por um quadro inflamatório crônico com sinovite poliarticular persistente. É uma doença que apresenta fase aguda (inflamatória) e fase latente. Embora não seja explicitado na questão, acredito que se refira ao tratamento na fase aguda, na qual o calor profundo proporcionado pelo Ultra som é inquestionavelmente contra indicado. Se não em engano, mesmo na fase latente o calor profundo não é indicado. Gabarito: Alternativa “B”


-----------------------------------------------------------------------------------
49) Exercício terapêutico de contração excêntrica é aquele em que durante a contração muscular, ocorre
A) aproximação da origem e inserção muscular.
B) controle da relação velocidade × força.
C) manutenção do comprimento muscular.
D) afastamento da origem e inserção muscular.

Relembrando os tipos de contrações musculares:Isométrica (Estática) – ausência de movimento articular observável, manutenção do mesmo comprimento muscular.Isotônica- Contração em que o esforço muscular é constante através de toda a excursão muscular.Concêntrica - Contração em que ocorre um encurtamento muscular (aproximação de origem e inserção)Excêntrica- Contração em que se observa um alongamento muscular (afastamento da origem e inserção) Portanto, Gabarito: Alternativa “D”


-----------------------------------------------------------------------------------
50) De acordo com o Código de Ética Profissional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Resolução COFFITO n.º 10), não é proibido ao fisioterapeuta
A) negar assistência, em caso de indubitável urgência.
B) colocar seus serviços profissionais à disposição da comunidade em caso de guerra, catástrofe, epidemia ou crise social, sem pleitear vantagem pessoal.
C) delegar suas atribuições, salvo por motivo irrelevante.
D) dar consulta ou prescrever tratamento, mesmo que seja por meio de correspondência, jornal, revista, rádio, televisão ou telefone.

Galera, não tem como explicar. È preciso ler a RESOLUÇÃO COFFITO-10
http://www.crefito4.com.br/cof10.htm




2 comentários:

Manuele Jardim disse...

Olá, gostaria de parabenizar a iniciativa e dizer que gostei demais do seu blog e voltarei mais vezes para adquirir mais conhecimentos de nossa área!
Gostaria de colaborar com a questao 43. Também não sou muito boa em órteses não mas acho que posso ajudar nesta!

Em casos de pé cavos, é necessário que exista uma elevação (cunha) na região lateral do pé e de preferência um pouco mais posterior como uma cunha externa em calcâneo. Pois desta forma o peso do corpo é deslocado medialmente na região cava diminuindo este ângulo e alongando um pouco.
espero ter ajudado
MAnuele Jardim

Natália disse...

Muito bom seu blog, parabens!!! :D
Se puder me dê uma visitinha la no meu tb fisionanet.blogs.sapo.pt
Bjs.