Ebooks

INFORMAÇÃO IMPORTANTE
Infelizmente o 4shared bloqueou o acesso a conta onde eu armazenava os e-books (aparentemente tem algo haver com direitos autorais). Assim que tiver um novo site para armazenamento enviarei os links.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Doutorado e Pós-Doutorado

Chegamos à ultima parte da trilogia sobre pós-graduação. Depois de falar sobre a pós graduação Lato Sensu e dos Mestrados acadêmico e profissional Vamos agora falar sobre o Doutorado e o Pós-Doutorado.

Doutorado.
A pós-graduação Stricto Sensu modalidade Doutorado é um curso que dura em média quatro anos e tem como objetivo a formação de pesquisadores. Normalmente exige-se que o candidato já tenha cursado o mestrado antes de ingressar no doutorado, porém dependendo da instituição e do currículo do candidato é possível “pular” o mestrado e cursar direto o doutorado.
Assim como no mestrado, o aluno de doutorado também precisa de um orientador, deve assistir aulas e ao final do curso precisa defender sua tese diante de uma banca. A grande diferença está no nível de profundidade da pesquisa, a qual precisa obrigatoriamente ser inédita. Ao concluir o doutorado, o aluno faz jus ao título de “Doutor”, que é o mais alto grau acadêmico existente no Brasil.
Muita gente acha que o título acadêmico de Doutor é algo equivalente a uma “faixa preta” em fisioterapia. Uma pessoa com doutorado não necessariamente sabe tudo sobre traumato-ortopedia, eletroterapia, neuro, etc.... De fato, pra ser bem sincero, é até possível que um sujeito com Doutorado saiba menos da prática clínica da fisioterapia do que alguém com uma mera especialização Lato sensu, pois o Mestrado e o Doutorado são cursos que exigem que o sujeito saiba muito de um assunto específico. Mas como no Brasil não existe uma política de valorização dos pesquisadores, é muito difícil você encontrar um PhD que não esteja envolvido também na assistência.
E por falar em PhD, muita gente acha que este título refere-se ao Pós-Doutorado. Na verdade, PhD, é a abreviação da expressão latina, "Philosophae Doctor". Título que pesquisadores que cursam o Doutorado no Exterior recebem (particularmente Inglaterra e EUA). Portanto: “Doutor” e PhD são a mesma titulação.


Se você visitar uma Universidade, você pode reconhecer facilmente os alunos do curso de Doutorado por 3 características básicas:
#1- Eles ficam andando rápido pelos corredores, olhando para baixo, gesticulando e falando sozinhos (isso sem ter ingerido nenhuma substância ilegal) e quando sentados eles se balançam pra frente e pra trás também falando e gesticulando sozinhos. – alguns especialistas afirmam que a extrema solicitação neural faz com que eles desenvolvam uma síndrome autismo-like.
#2- Geralmente eles têm olheiras semelhantes a dos Ursos Panda, parte causadas pela privação de sono, parte pelos traumas repetitivos de tanto baterem a cabeça contra a parede ou bancada do laboratório (mais uma vez a síndrome autista).
#3- O último e mais importante sinal: Ao ouvir a palavra “tese”, em qualquer que seja o contexto da conversa, ocorre uma crise de choro histérico seguido de um ataque de pânico. A intensidade deste ataque é diretamente proporcional à proximidade da data da defesa da tese.

Algumas pessoas ainda não satisfeitas com a auto flagelação proporcionada pelo mestrado e doutorado ainda partem para o Pos-Doutorado.

Pós-Doutorado
Um pós-doc (o Pós-Doutorado é carinhosamente chamado por este apelido) é quase sempre exigido para cargos acadêmicos ditos titulares, principalmente em pesquisa de alto nível. Para ingressar no Pós-doc é imprescindivel a conclusão do Doutorado (dessa vez não tem como "pular" o Doutorado). No caso do pós-doutorado, o objetivo é o desenvolvimento de atividades de atualização e abertura de novas linhas de pesquisa. Os projetos elaborados são geralmente um complemento do trabalho realizado no doutorado. O período de duração dos cursos de pós-doutorado varia de acordo com a instituição de ensino, e muita gente opta por cursos "sanduiches", ou seja, feitos metade no Brasile e metade no exterior.

Por enquanto meus planos de ingressar no Doutorado estão na geladeira. Estou gostando muito de poder assitir desenho animado com minha filha, de curtir passeios no final de semana e poder escrever neste blog com uma linguagem descontraída sem me preocupar em passar por avaliações "peer review" dos textos que eu escrevo ou virar a noite revendo o texto de um artigo enviado para algum maldito periódico científico estrangeiro só porque o que eu escrevi não agradou ao maldito avaliador.

Pra finalizar, estou muito feliz com meu título de mestre, pois me igualo a outros grandes mestres como: Mestre Yoda, Mestre dos Magos, Mestre Splinter, Mestre Shifu (do Kung-Fu Panda), isso sem contar os Mestres Jedi eo Sr Miyagi, que não é mestre mas merece menção honrosa pois transformou o derrotado do Daniel San em um faixa preta de karatê.


É importante notar que geralmente os super-vilões tem PhD, como é o caso do Doutor Octopus (arqui-inimigo do homem-aranha), do Doutor Destino (arqui-inimigo do quarteto fantástico), Dr Evil (Austin Powers), Doutor Silvana (arqui-inimigo do Capitão Marvel), Dr Hans Chucrutes (pica-pau) e o Dr. Manhatan (não sei se é herói ou vilão, mas de fato um cara azul com super poderes e que anda pelado não pode ser bom sujeito) .
A proximidade do carnaval me deixa assim, meio nerd, meio piadista.
Espero que tenham gostado

9 comentários:

Euripedes Moreira disse...

Cara mais uma vez parabens pelo blog! Vc so esqueceu de falar do mestre IRINEU de Assis o Unico Sexto Dan em Karate do Brasil!!!

MAs deixando nossos mestres de lado! Nao sei se vc ja falou mas se nao tiver falado! Uma ideia e falar sobre as especializaçoes, residencias cursos de aprimoramento e tals

Abraços

Humberto Neto disse...

Olá Euripedes,
Peço desculpas pelo meu desconhecimento sobre o único mestre Sexto Dan do Brasil. Porém acho que certamente ele seja um exemplo de Mestre, ele não seria incluído em minha listagem. Por respeito a ele, é claro, pois a lista foi apenas uma brincadeira meio esdrúxula com os "mestres" de filmes e desenhos animados.
Quanto às especializações, eu comentei algo a respeito em uma postagem mais antiga, mas vou anotar a sugestão... afinal, nunca é demais aprofundar um olhar crítico sobre os cursos de residência e especialização em fisioterapia.
Um grande abraço

Euripedes Junior disse...

Tranquilo cara, vou dar uma busca no blog sobre o assunto! E em outros materiais qualquer coisa te envio!

Ah e a sua listagem dos mestre falto a galera do Dragon Ball


Abraços

Anônimo disse...

Há pouco tempo perguntei a uma fisioterapeuta se ela tinha doutorado, pois ela havia entrado em uma conversa minha com uma enfermeira e eu perguntei quem era?
Ela me respondeu que era uma doutora? Foi então quando fiz a pergunta... Ela quis me bater, chamou a PM e mandou dar o maior escândalo comigo...
Cheguei a conclusão de que realmente não era uma doutora... por mais que gritasse que sim...

Anônimo disse...

Seria interessante não menosprezar o esforço que muitos fazem por uma pós-graduação, até mesmo porque cada um sabe do que necessita, além do mais, uma pós trás um enriquecimento cultural e científico único. Lamento que tente passar seu preconceito e ironia aos que leem seu blog e desejo realmente que um dia você tenha a capacidade não de entrar, mas sim de concluir uma doutorado.
E se você for organizado, não necessitará se privar dos filmes com sua filha.

Unknown disse...

prezado ou prezada anônima, seria interessante você ter senso de humor.
Que coisa chata hein!
tente sorrir um pouco e aproveitar os finais de semana.

Anônimo disse...

Adorei o blog. Descontraído e inteligente! =)

doutoramento disse...

Obrigado por esta publicação!!

Renata Alves Olliver disse...

Dr Humberto , muito obrigada por responder meu email tirando todas as duvidas que tinha sobre Fisioterapia, eu não consegui responder antes por um motivo de saude, cai e quebrei a mão esquerda. e não consegui achar o email .
Sigo forte no curso tentando superar casa obstaculo.
um grande Abraço.
Renata