Ebooks

INFORMAÇÃO IMPORTANTE
Infelizmente o 4shared bloqueou o acesso a conta onde eu armazenava os e-books (aparentemente tem algo haver com direitos autorais). Assim que tiver um novo site para armazenamento enviarei os links.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Fisioterapia em pacientes renais crônicos

Atendendo a pedidos fiz uma pesquisa sobre como a fisioterapia pode ajudar pacientes com doença renal crônica. Para minha surpresa descobri que mesmo em centros especializados ações de fisioterapia nesta população ainda não são rotina, apesar dos benefícios para a saúde geral dos pacientes renais crônicos.

INTRODUÇÃO
A Doença Renal Crônica (DRC) é definida com a perda lenta, progressiva e irreversível da função renal. Devido a falência dos mecanismos excretores renais, o organismo não consegue mais eliminar substâncias tóxicas do sangue tais como a creatinina e a uréia, entre outras. O acúmulo destas substâncias afeta quase todos os sistemas do corpo, trazendo consigo co-morbidades significativas tais como neuropatia periférica, rigidez articular, dor, perda de massa muscular e astenia, entre outras. Tais co-morbidades podem se manifestar como dificuldade na deambulação, déficit de equilíbrio, dor e rigidez articular, comprometendo assim a independência nas atividades de vida diária.
Colocando as coisas deste jeito, fica claro que devido ao impacto sobre a qualidade de vida esta é uma condição que requer cuidados de fisioterapia e terapia ocupacional. De fato, alguns estudos demonstraram que um programa de treinamento físico pode ser aplicado de forma segura nesta população, sendo inclusive capaz de modificar a morbidade e a sobrevida dos pacientes urêmicos crônicos, trazendo-lhes benefícios metabólicos, fisiológicos e psicológicos.
Referências
Exercício físico em pacientes dialisados (Clique Aqui)
INTERVENÇÕES DE FISIOTERAPIA.
De acordo com os trabalhos citados acima, exercícios terapêuticos podem ser desenvolvidos mesmo durante o procedimento de hemodiálise. O procedimento de diálise por si só é bastante custoso ao paciente, exigindo que permaneça horas sentado e não raro causando-lhes mal-estar. Tudo isso contribuindo para a perda progressiva do condicionamento físico.
Estudos apontam que programas de treinamento de exercícios físicos têm modificado a morbidade e sobrevida dos pacientes urêmicos crônicos, trazendo-lhes benefícios metabólicos, fisiológicos e psicológicos. Sabe-se hoje que exercícios realizados durante a hemodiálise, quando devidamente orientados, são indicados e seguros a esses pacientes, apesar de ainda não terem se tornado rotina nos centros de diálise
Dois trabalhos brasileiros recentes investigaram os efeitos de um programa de exercícios em pacientes renais crônicos, com resultados bastante promissores. Segue abaixo o resumo do resumo e o link para quem quiser acessar os artigos.
Efeito do Treinamento Muscular Periférico na Capacidade Funcional e Qualidade de Vida nos Pacientes em Hemodiálise (Clique Aqui)
Este trabalho foi publicado em 2009 no Jornal Brasileiro de Nefrologia e investigou os efeitos de sessões de fisioterapia regulares de cerca de 30 minutos de duração ao longo de 5 meses em 7 pacientes durante o procedimento de hemodiálise. Ao final do período, todos os pacientes tiveram aumento na força muscular e em alguns domínios do Questionário SF-36 (embora não tenham alcançado significância estística). Não houve diferença significativa no teste de caminhada de 6 minutos, porém foi relatada melhora nos sintomas secundários, como a dor em membros inferiores, câimbras, fadiga, e diminuição na medicação para essas consequências.
Repercussão de um protocolo fisioterapêutico intradialítico na funcionalidade pulmonar, força de preensão manual e qualidade de vida de pacientes renais crônicos. (Clique Aqui)
Este trabalho foi publicado em 2010, também no Jornal Brasileiro de Nefrologia. Foram pesquisados os efeitos de três sessões semanais de exercícios de aproximadamente 25 minutos de duração durante 2 meses. Os exercícios eram realizados durante o procedimento de hemodiálise.
Embora as variáveis pesquisadas não tenham exibido diferenças significativas, assim como no trabalho acima, vários pacientes relataram melhora álgica em MMII, diminuição de incidência de cãibras, maior disposição e menor cansaço para realizar atividades de vida diárias.

Mas nem tudo são flores
Sugiro aqueles que pretendem desenvolver atividades físicas com pacientes renais crônicos, que conversem com o nefrologista responsável, pois uma complicação possível dos exercícios físicos em pacientes renais crônicos é a rabdomiolise.
A rabdomiólise é uma síndrome caracterizada por necrose muscular com libertação de constituintes celulares para a circulação sanguínea, induzida por exercícios físicos intensos ou desenvolvidos em condições adversas (como exercícios de instrução militar, por exemplo).
A lesão da membrana das células musculares resulta na liberação de mioglobina, hemoglobina, precursores das purinas, creatinina, potássio, ácido úrico, cálcio, fosfato e creatinoquinase, as quais podem ser danosas a uma pessoa cujos rins não estejam plenamente funcionais.
Referência:

Insuficiência renal e rabdomiólise induzidas por exercício físico (Clique Aqui)

Referências Gerais
The effects of exercise training on muscle atrophy in haemodialysis patients. (Clique Aqui)
Exercícios Físicos Durante a Hemodiálise: Uma Revisão Sistemática. (Clique Aqui)
Physical functioning and health-related quality-of-life changes with exercise training in hemodialysis patients. (Clique Aqui - somente abstract)
Exercise training during hemodialysis improves dialysis efficacy and physical performance (Clique Aqui)

é isso aí pessoal, e
spero que seja útil

5 comentários:

Francine Sampaio disse...

Esta área é muito nova no Brasil mas deve ser estudada e explorada pois o profissional fisioterapeuta tem grande importância para esta população. Devido a sua importância temos que conquistar nossa posição junto aos centros de hemodiálise.

Francine Sampaio
Fisioterapeuta.
Mestre em Nefrologia

Anônimo disse...

Nossa humberto muito legal, obrigado pela peskisa bibliográfica, bjs, Samara Marques..

sara disse...

Nossa, que bom Humberto! Sempre tive esta curiosidade por viver de perto esta dç, e as alterações que causa ao longo do tempo. Lembro que cheguei a perguntar algo na facul, mas nada de concreto.
Lerei os artigos..
Obrigada!

Alessandra disse...

Caro Humberto, parabéns pela iniciativa.Um recurso dessa natureza só engrandece nossa profissão.Gostaria de registrar que há dois anos desenvolvemos um programa de reabilitação para pacientes renais crônicos denominado Fisioterapia Intradialítica.Os resultados são MAGNÍFICOS!! Já tivemos oportunidade de discutir nossos resultados em congressos, nas rádios, nos jornais,... Acredito na força e no potencial da fisioterapia. Avante, colegas!!!

Alessandra Venceslau
Fisioterapeuta da
UNINEFRON Recife-PE

Mario disse...

Eu fiz um mestrado em nefrologia. Eu acho que a informação contida neste blog é muito interessante