Ebooks

INFORMAÇÃO IMPORTANTE
Infelizmente o 4shared bloqueou o acesso a conta onde eu armazenava os e-books (aparentemente tem algo haver com direitos autorais). Assim que tiver um novo site para armazenamento enviarei os links.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Acupuntura: Quando a medicina tradicional chinesa conversa com a ciência ocidental.

Quem se dedica a estudar acupuntura sabe muito bem que esta modalidade de tratamento pode ser ao mesmo tempo fascinante e frustrante.

Na minha opinião isso acontece pelo choque de culturas. De um lado temos a ciência ocidental, extremamente metódica com sua necessidade de validar a eficácia dos tratamentos por meio de ensaios clínicos e cálculos estatísticos.
De outro lado temos uma modalidade terapêutica baseada em preceitos filosóficos (Yin e Yang), que busca harmonizar a energia Qi que circula pelos meridianos de energia. Para o acupunturista, a alimentação, o padrão de sono e até mesmo a cor da língua do paciente são fatores que vão influenciar a escolha dos pontos de acupuntura, a ordem do puncionamento e também do tempo em que as agulhas permanecerão no corpo. A acupuntura é bastante influenciada pelo Taoismo. A influência desta filosofia torna os atendimentos altamente individualizados, sendo praticamente impossível criar protocolos fixos. Não é concebível, por exemplo, tratar uma dor de cabeça parietal utilizando uma combinação padronizada de pontos que seja ideal para todos os indivíduos.

Esta preocupação com a individualidade dificulta a elaboração de ensaios clínicos. No entanto, alguns estudos comprovam a efetividade da acupuntura em algumas condições específicas, com destaque especial para o controle da dor.  

Exames de imagem ainda não conseguiram provar a existência do Qi, e nem dos meridianos de energia, mas nos últimos 10 anos, pesquisas realizadas com Ressonância Magnética Funcional, embora controversas, apontam para alguns resultados realmente interessantes.

Acupuntura e Ressonância Magnética Funcional

Em 1999, Wu e colaboradores  foram os primeiros a mostrar que a acupuntura em pontos de acupuntura F4 e E36 de pessoas saudáveis ​​resultou na ativação do hipotálamo e do nucleus accumbens e desativação da parte rostral do córtex cingulado anterior, da amígdala e do hipocampo.

Em um artigo publicado em 2010 por Cho e colaboradores entitulado "fMRI Study of Effect on Brain Activity According to Stimulation Method at LI11, ST36: Painful Pressure and Acupuncture Stimulation of Same Acupoints”, os autores usaram a Ressonância Magnética Funcional para visualizar quais áreas do cérebro são ativadas quando os pontos E36 e F11 são estimulados. Em outras palavras: Eles pressionaram e puncionaram os pontos de acupuntura 36 do estômago e 11 do fígado e ligavam o aparelho de ressonância pra ver o que acontecia no cérebro das pessoas. Os autores afirmaram que a estimulação destes pontos de acupuntura corresponderam a ativação do giro parahipocampal, e de áreas do tálamo e cerebelo.

Estes são apenas dois exemplos de artigos, entre vários outros que investigaram a correlação entre agulhamento e áreas cerebrais.

E o que podemos aprender com isso?

Primeiro: Que mesmo que nunca se consiga comprovar a existência do Qi, podemos ao menos afirmar que o agulhamento dos pontos de acupuntura é capaz de estimular o Sistema Nervoso Central.
Segundo: Podemos dizer que existe uma via neural entre pontos de acupuntura e estruturas cerebrais ligadas ao sistema límbico. Vale a pena frisar que foi demonstrado que o agulhamento de pontos da perna resultam na ativação do hipotálamo, o qual é uma região do encéfalo que produz endorfinas (substâncias que dão barato e reduzem a dor). Ou seja: a acupuntura talvez seja capaz de ativar vias descendentes analgésicas.
Terceiro: Sabemos que o stress desencadeia uma série de respostas hormonais que mantém o organismo em um constante estado de alerta e que isso aos poucos pode causar círculos viciosos envolvendo dores, hipertensão arterial, alterações do sono entre outros problemas de saúde. 

Partindo das premissas que talvez a acupuntura seja realmente capaz de estimular áreas do cérebro relacionadas à sensação de bem estar e que talvez funcione como um “antidepressivo natural”, Podemos supor que embora não comprovado é razoável imaginar que a acupuntura obtém respostas terapêuticas por ser capaz de quebrar alguns destes círculos viciosos.


FONTES:



Um comentário:

Anônimo disse...

Ao menos a Acupuntura poderá beneficiar psicologicamente o paciente, mesmo que, como a Homeopatia, careça de fundamentação científica..
Leiam (dúvidas respondidas pelo Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura - CMBA):
É preciso interromper outros tratamentos?
Não, pois na maioria das vezes, a associação da Acupuntura com outras formas de tratamento não apenas é possível, como é benéfica para o paciente. Porém, somente após a realização de uma consulta e a definição do diagnóstico é que o médico pode determinar qual o tratamento mais adequado para cada quadro clínico. Desse modo, podem ser associados à acupuntura, medicamentos, fisioterapia e outros métodos complementares de tratamento.
7. As agulhas podem transmitir doenças?
A normatização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) determina que a Acupuntura seja realizada exclusivamente com material descartável. Porém, alguns profissionais sem formação adequada insistem na reutilização das agulhas. É importante saber que este procedimento pode acarretar inúmeras doenças. Dentre elas, hepatites, meningites, mastoidites, encefalites, etc. Portanto, cabe ressaltar que as agulhas nunca devem ser reaproveitadas, nem no mesmo paciente pois, uma vez guardadas podem ser contaminadas. ATENÇÃO, AGULHAS SÓ DESCARTÁVEIS!
Bem praticada, a Acupuntura é segura; no entanto, o risco mais prevalente, na verdade não se refere à própria Acupuntura, e sim à sua prática por profissionais sem a devida qualificação e que não tem conhecimento sobre a anatomia normal e suas variantes e sobre a elaboração de um diagnóstico e prognósticos. Como no caso, por exemplo, de um tratamento de Acupuntura, realizado por leigo, para quadro de dor abdominal, mas que na verdade é um apendicite. Além disso, o uso de um método invasivo, cirurgicamente perfurante, por indivíduos sem formação específica, têm resultado em ocorrências de negligência, imperícia e imprudência, além do crime de curandeirismo, relatadas em inúmeros casos, pela literatura médico-científica mundial, tais como: Infecções, transmissões de doenças, lesões e perfurações. E o que contribui para agravar mais ainda estas possíveis ocorrências é o fato de que, tendo sido provocado por indivíduo leigo, muito dificilmente este terá discernimento para perceber que provocou um efeito adverso; e muito menos condições de corrigir o dano causado. Com isso, o paciente lesado poderá ter uma demora muito grande para ser diagnosticado devidamente e adequadamente socorrido, podendo por esta última razão resultar, inclusive, em óbito.