Ebooks

INFORMAÇÃO IMPORTANTE
Infelizmente o 4shared bloqueou o acesso a conta onde eu armazenava os e-books (aparentemente tem algo haver com direitos autorais). Assim que tiver um novo site para armazenamento enviarei os links.

sábado, 26 de julho de 2014

Kinesiotape na Paralisia Braquial Obstétrica.

Eu já escrevi duas postagens sobre a PBO, e volto novamente ao tema pra falar sobre o uso de kinesiotape no tratamento de crianças. 

Se quiser conferir as postagens anteriores, os links são:




Bandagem elástica funcional em pediatria
O quiroprático Japonês Kenzo Kase desenvolveu uma bandagem adesiva extensível, batizada de Kinesiotape. Esta bandagem ganhou publicidade mundial em 1988 quando foi usada pelos atletas japoneses nas Olimpíadas de Seul. Apesar de ser um recurso relativamente recente, a Kinesiotape vem se tornando cada vez mais popular nos consultórios de fisioterapia das mais diferentes especialidades.
Aqui vale uma pequena observação: o nome “Kinesiotape” se refere a uma marca de bandagem elástica funcional (também chamada bandagem neuromuscular proprioceptiva). Esta associação entre o fabricante e o produto é o mesmo fenômeno que acontece quando a gente vai na papelaria fazer uma fotocópia e pede pro atendente tirar uma “Xerox”. Embora kinesiotape seja a mais famosa, podemos facilmente encontrar outras marcas de bandagem elástica no mercado, como a kinesiosport, Kinesiology Tape, Fisio Tape, etc. Sinceramente, não sei dizer se existe uma marca melhor que a outra. Apesar de falar o tempo todo em kinesiotape, não ganho nenhum “faz-me-rir”do Sr. Kenzo Kase (mas estou aberto a propostas rsrsrsrs).  
... mas voltando ao assunto: o mais interessante é que apesar de seu uso em ortopedia e fisioterapia desportiva, a kinesiotape também foi adotada por muitos fisioterapeutas que trabalham em pediatria. Isso se deve principalmente por duas características marcantes:

FUNÇÃO MECÂNICA:
Graças a suas propriedades elásticas, esta bandagem é capaz de oferecer
apoio aos músculos e articulações sem limitar excessivamente a ação dos mesmos. Além disso, não sai facilmente na água e pode ser usada por vários dias. Para mim, é quase como se ela funcionasse como uma mão extra. Aliás, quem já tratou crianças pequenas sabe o desafio que é segurar os pequeninos, corrigir sua postura, estimular o movimento e oferecer brinquedos (tudo isso ao mesmo tempo). Nessas horas, qualquer recurso que lhe ajude, mesmo que minimamente, é um recurso bem vindo.

FUNÇÃO PROPIOCEPTIVA
Segundo o fabricante de kinesiotape, as características da pele da criança (pele mais fina do que os adultos e maior área de superfície corporal quando comparada aos adultos) a torna especialmente sensível para a estimulação dos mecanoceptores encontrados na epiderme e na derme. Com relação aos pacientes pediátricos, esta melhora da informação proprioceptiva teria como resultados: [1]  melhora da percepção da criança em relação a sua movimentação; [2] auxiliar a contração muscular; e [3] ajudar na correção de desvios articulares, na sensação de dor ou desconforto ao movimento.
Além disso, eu defendo a idéia de que os efeitos da tensão gerada pelas bandagens são melhor aproveitados pelas crianças simplesmente pelo fato dos seus músculos ainda serem pequenos e relativamente fracos; assim, a correção mecânica proporcionada pela bandagem, ou o efeito de facilitar um movimento são mais efetivos do que num adulto (esta é apenas minha opinião, ainda não tenho um embasamento científico para defender este ponto de vista).
Gostaria de compartilhar algumas impressões sobre o uso deste recurso como coadjuvante no tratamento de crianças com Paralisia Braquial Obstétrica. Como de praxe fiz uma busca por artigos que pudessem embasar esta postagem. Os links estão no final da postagem.

BANDAGEM ELÁSTICA FUNCIONAL em Paralisia Braquial Obstétrica
Em casos de PBO, observa-se desequilíbrio muscular no membro superior. No caso da paralisia de plexo superior (Erb-Duchenne), utilizo a bandagem que favorece a rotação externa do ombro, e a que favorece a supinação de antebraço. Estas são as bandagens de escolha justamente para evitar, ou ao menos minimizar a postura de “garçom pedindo gorjeta”.

Abaixo algumas ilustrações da bandagem que facilita a rotação externa de braço.


 Agora ilustrações da bandagem que facilita a supinação de antebraço.

Já nos casos de lesão de plexo inferior (Klumpke), ocorre acometimento principalmente dos músculos da mão. A bandagem que eu mais utilizo é a de auxílio a extensão de punho. 
O video abaixo apresenta a bandagem para extensão de punho:




Reforço que estas bandagens não são tratamentos isolados, mas sim coadjuvantes ao tratamento de fisioterapia.

Abaixo seguem links para quem quiser aprender um pouco mais sobre bandagem elástica funcional em pediatria.






5 comentários:

Fisioterapia disse...

Obrigado pelas dicas. Vou seguir seu blog

Luciana Maltauro disse...

Oi, parabéns pela sua postagem, principalmente pois citou o verdadeiro criador da técnica, que há anos vem desenvolvendo e melhorando a função de suas bandagens, infelizmente há pessoas de ma fé que se aproveitam da sua técnica para colocar seu nome.
Tive a oportunidade de participar do congresso de kinesio taping ano passado e ele nos brindou com seus estudos sobre técnica dérmica, um conceito mais sutil ainda sobre a técnica.

Anônimo disse...

Não há real embasamento cientifico que prove que a técnica é efetiva,mas econtram-se várias referências por revisões sistemáticas provando o
contrário.

Anônimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=JpD_ax-JO-8

Cláudio disse...

Excelente postagem Huberto, Parabéns!!!