Introdução (ou algo que o valha)

Já vou logo avisando.
Não atualizo esse blog com a frequência que vocês merecem, mas quando resolvo escrever uma postagem eu pesquiso o tema com uma dedicação canina e redijo o texto com carinho maternal. Quanto a isso, dizem por aí que só existem 3 certezas na vida: A Morte, o Imposto de Renda e as informações encontradas neste blog (essa última certeza é fruto de um dos meus delírios de grandeza, hehehe).
Espero que encontrem a informação que procuram, que tirem as dúvidas, e que algum dia eu ganhe sozinho na mega sena.

sábado, 26 de julho de 2014

Kinesiotape na Paralisia Braquial Obstétrica.

Eu já escrevi duas postagens sobre a PBO, e volto novamente ao tema pra falar sobre o uso de kinesiotape no tratamento de crianças. 

Se quiser conferir as postagens anteriores, os links são:




Bandagem elástica funcional em pediatria
O quiroprático Japonês Kenzo Kase desenvolveu uma bandagem adesiva extensível, batizada de Kinesiotape. Esta bandagem ganhou publicidade mundial em 1988 quando foi usada pelos atletas japoneses nas Olimpíadas de Seul. Apesar de ser um recurso relativamente recente, a Kinesiotape vem se tornando cada vez mais popular nos consultórios de fisioterapia das mais diferentes especialidades.
Aqui vale uma pequena observação: o nome “Kinesiotape” se refere a uma marca de bandagem elástica funcional (também chamada bandagem neuromuscular proprioceptiva). Esta associação entre o fabricante e o produto é o mesmo fenômeno que acontece quando a gente vai na papelaria fazer uma fotocópia e pede pro atendente tirar uma “Xerox”. Embora kinesiotape seja a mais famosa, podemos facilmente encontrar outras marcas de bandagem elástica no mercado, como a kinesiosport, Kinesiology Tape, Fisio Tape, etc. Sinceramente, não sei dizer se existe uma marca melhor que a outra. Apesar de falar o tempo todo em kinesiotape, não ganho nenhum “faz-me-rir”do Sr. Kenzo Kase (mas estou aberto a propostas rsrsrsrs).  
... mas voltando ao assunto: o mais interessante é que apesar de seu uso em ortopedia e fisioterapia desportiva, a kinesiotape também foi adotada por muitos fisioterapeutas que trabalham em pediatria. Isso se deve principalmente por duas características marcantes:

FUNÇÃO MECÂNICA:
Graças a suas propriedades elásticas, esta bandagem é capaz de oferecer
apoio aos músculos e articulações sem limitar excessivamente a ação dos mesmos. Além disso, não sai facilmente na água e pode ser usada por vários dias. Para mim, é quase como se ela funcionasse como uma mão extra. Aliás, quem já tratou crianças pequenas sabe o desafio que é segurar os pequeninos, corrigir sua postura, estimular o movimento e oferecer brinquedos (tudo isso ao mesmo tempo). Nessas horas, qualquer recurso que lhe ajude, mesmo que minimamente, é um recurso bem vindo.

FUNÇÃO PROPIOCEPTIVA
Segundo o fabricante de kinesiotape, as características da pele da criança (pele mais fina do que os adultos e maior área de superfície corporal quando comparada aos adultos) a torna especialmente sensível para a estimulação dos mecanoceptores encontrados na epiderme e na derme. Com relação aos pacientes pediátricos, esta melhora da informação proprioceptiva teria como resultados: [1]  melhora da percepção da criança em relação a sua movimentação; [2] auxiliar a contração muscular; e [3] ajudar na correção de desvios articulares, na sensação de dor ou desconforto ao movimento.
Além disso, eu defendo a idéia de que os efeitos da tensão gerada pelas bandagens são melhor aproveitados pelas crianças simplesmente pelo fato dos seus músculos ainda serem pequenos e relativamente fracos; assim, a correção mecânica proporcionada pela bandagem, ou o efeito de facilitar um movimento são mais efetivos do que num adulto (esta é apenas minha opinião, ainda não tenho um embasamento científico para defender este ponto de vista).
Gostaria de compartilhar algumas impressões sobre o uso deste recurso como coadjuvante no tratamento de crianças com Paralisia Braquial Obstétrica. Como de praxe fiz uma busca por artigos que pudessem embasar esta postagem. Os links estão no final da postagem.

BANDAGEM ELÁSTICA FUNCIONAL em Paralisia Braquial Obstétrica
Em casos de PBO, observa-se desequilíbrio muscular no membro superior. No caso da paralisia de plexo superior (Erb-Duchenne), utilizo a bandagem que favorece a rotação externa do ombro, e a que favorece a supinação de antebraço. Estas são as bandagens de escolha justamente para evitar, ou ao menos minimizar a postura de “garçom pedindo gorjeta”.

Abaixo algumas ilustrações da bandagem que facilita a rotação externa de braço.


 Agora ilustrações da bandagem que facilita a supinação de antebraço.

Já nos casos de lesão de plexo inferior (Klumpke), ocorre acometimento principalmente dos músculos da mão. A bandagem que eu mais utilizo é a de auxílio a extensão de punho. 
O video abaixo apresenta a bandagem para extensão de punho:




Reforço que estas bandagens não são tratamentos isolados, mas sim coadjuvantes ao tratamento de fisioterapia.

Abaixo seguem links para quem quiser aprender um pouco mais sobre bandagem elástica funcional em pediatria.






terça-feira, 1 de julho de 2014

Falsas lesões na Copa

Esta não é uma postagem sobre fisioterapia.

Aparentemente os especialistas em fisioterapia desportiva estão com os dias contados. Digo isso pois os jogadores desta Copa parecem ter um fator de cura semelhante ao do Wolverine, e portanto, não necessitam de fisioterapia.

Vou explicar melhor minha hipótese: em várias entradas mais violentas nesta Copa, vejo o jogador ser arremessado pelo ar se contorcendo, e ao se chocar contra o gramado imediatamente assume a posição fetal, rolando de um lado para o outro, revirando os olhos e rangendo os dentes em agonia profunda. Aí ele olha pro juiz e, milagrosamente, em menos de 30 segundos se levanta e volta correndo pra partida.

Brincadeiras à parte, os fãs do futebol sabem que esta é apenas uma das táticas mais antigas do futebol: A milonga (ou a arte de transformar uma pequena falta em uma performance épica pode render cartões para o time adversário, matar um  pouco o tempo da partida ou apenas dar aos companheiros de time alguns momentos para respirar).

0
Eu li uma matéria bastante interessante Wall Street Journal que fala a respeito desta tática. Aliás, aparentemente os jornalistas do Wall Street ficaram tão impressionado com as milongas que decidiram fazer um estudo empírico analisando as primeiras 32 partidas da Copa do Mundo com o objetivo de determinar qual país merece o título de maior milongueiro do mundo.

0

Eles observaram algumas coisas interessantes:

Durante os primeiros 32 jogos, episódios teatrais consumiram um total de 118 minutos e 21 segundos de jogo. Os pesquisadores decidiram chamar isto de "tempo se contorcendo". Este tempo foi calculado considerando o tempo entre o apito do juiz até o momento em que o jogador se levanta e retorna a partida. 
O estudo concluiu uma coisa interessante: A quantidade de sofrimento durante uma partida se correlaciona fortemente com o placar. Os jogadores em equipes que estavam perdendo seus jogos foram responsáveis ​​por 40 milongas, contabilizando aproximadamente 12,5 minutos de tempo se contorcendo. Mas os jogadores em equipes que foram vencedoras, tiveram 103 episódios de "milonga" e passaram quase quatro vezes mais tempo se contorcendo no chão. 

MAIS ALGUNS RESULTADOS:

A equipe cujos jogadores mais se contorceram durante as partidas: BrasilForam 17 incidentes só nos dois primeiros jogos da seleção, e adivinhem quem é o destaque? Isso mesmo, o Neymar Jr. Ele sozinho foi responsável por cinco “milongas”. Em todos os casos, após a suposta lesão, ele estava de pé dentro de 15 segundos (praticamente um Highlander!). 



A Equipe que gastou mais tempo se contorcendo em campo: HondurasA seleção de Honduras foi a equipe que passou mais tempo agonizando no chão ou sendo atendida: 7 minutos e 40 segundos para ser exato. Destes, 5 minutos e 10 segundos aconteceram no primeiro tempo do jogo contra a França, quando o jogo estava empatado (resultado muito bom para eles).


O time mais durão, que mesmo depois de levar uma falta é capaz de se levantar, sorrir e pedir outra pancada pro adversário: Bósnia e Herzegovina.Eu confesso que chutaria Russia, simplesmente pelo fato dos jogadores serem russos . . . todo mundo sabe que os russos são sinistros. Mas eu me enganei. Foram os Bósnios que levaram o troféu de durões.Obviamente por serem novatos na Copa do Mundo ainda não enteram direito como a milonga funciona Eles só fizeram duas "milongas" em dois jogos em um total de 24 segundos de tempo de se contorcendo. Como diria o Cumpadi Washington ... sabe de nada inocente!



O time mais massacrado em um só jogo: ChileDepois de conseguirem  uma vantagem inicial contra a Espanha, os chilenos fizeram 11 "milongas", quantidade equivalente a que outras 24 outras equipes fizeram em dois jogos.


A lesão mais rápida (até o momento): Enner Valencia, do EquadorJá o "milagre" da recuperação mais rápida do começo desta Copa ficou a cargo do equatoriano Enner Valencia, que, contra Honduras, demorou apenas quatro segundos entre cair, rolar no gramado com a mão no joelho e se levantar.




Pior uso de uma maca: 5 jogadores (empate) 
Dos nove jogadores que precisaram sair de campo, cinco retornaram em menos de 90 segundos (faz melhor Wolverine!)




Tem um site com uns GIFS muito legais sobre jogadores fazendo firula. o link é esse aqui debaixo::
http://www.tudointeressante.com.br/2014/06/18-jogadores-fingindo-contusoes-de-forma-escandalosamente-engracada.html